sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Revisão de veículos é serviço essencial antes das viagens

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

CONDOMÍNIOS : SEGURANÇA NO FINAL DE 2011

Condomínios: cuidados com a segurança no final de ano
licitamais.com.br

LicitaMais lista dicas de segurança que servem não só para o final de ano, mas também para todo o ano a quem mora em condomínios

A segurança está entre os principais motivos que levam as pessoas a morarem em condomínios. A vida em comunidade, a portões fechados e controle de entrada, a comodidade de saber que os filhos estão brincando em locais conhecidos, entre pessoas conhecidas. Todos estes são fatores que atraem quem está cansado do medo de assaltos, furtos e sequestros.

Não que a vida em condomínio seja perfeitamente segura e livre de riscos. É cada vez mais comum ler ou ouvir sobre grupos de criminosos que fazem arrastões dentro de prédios residenciais, ou sobre assaltos em residências em condomínios horizontais.

No final do ano, quando muitas famílias viajam, o grau de descuido com a segurança da casa tende a aumentar. Por isso, o LicitaMais ouviu especialistas em segurança e preparou dicas para que você esteja cada vez mais bem informado sobre como proteger a sua família e o seu lar.

“Não é porque você vive dentro de uma comunidade fechada por portões que não existem ameaças à segurança”, alerta o empresário André Carvalho de Souza. Policial militar aposentado, André hoje dirige uma firma de segurança condominial na cidade de São Paulo. “Por isso, a mesma conduta que se recomenda a quem mora em um bairro residencial deve ser seguida por um morador de condomínio”, aconselha.

Para André, há três ações simples que, se seguidas à risca, trazem muito mais segurança ao condômino e ao condomínio são:

• Sempre observar bem os arredores antes de entrar ou sair do prédio;
• Nunca autorize uma entrada sem ter absoluta certeza de quem é a pessoa que está entrando;
• Certifique-se que qualquer serviço que esteja sendo realizado dentro do condomínio seja devidamente acompanhado e vigiado.

“Não há fórmulas prontas, porque a atividade criminosa está sempre se adaptando às normas de segurança e equipamentos do condomínio. Então, cada um tem de estar sempre atento a qualquer anormalidade e, quando perceber algo estranho, informar imediatamente os responsáveis”, esclarece André.

O condomínio
Apesar da vigilância individual de cada morador ser fundamental, é responsabilidade do condomínio fazer o máximo para se prevenir contra situações de perigo. Além da infraestrutura óbvia, como câmeras de segurança, vigias e outros tipos de segurança tradicional, o LicitaMais lista algumas ações que servem como proteção adicional.

• A seleção de pessoal doméstico e do condomínio deve ser rigorosa, com pesquisa da vida pregressa dos candidatos e verificação criteriosa das fontes de referência. Dar preferência para os que possuam cursos de formação e treinamento.
• Orientação: os profissionais que desempenham funções na portaria do prédio devem sempre ser alertados para as formas de execução usadas pelos bandidos, bem como capacitados para tomar as medidas necessárias quando detectarem algum perigo.
• Informação: todos os condôminos devem ser cadastrados com dados pessoais, dos veículos e até de parentes próximos, para uso em caso de emergência. Além disso, é importante que todos os visitantes tenham crachá com a identificação e assinem a entrada.
• Treinamento: não só dos funcionários, mas também dos condôminos, com o objetivo de despertar a consciência para a segurança de todos.

Nas férias
Deixar o apartamento ou a casa em condomínio por muito tempo sempre aumenta o risco de roubos e furtos.

Veja agora algumas dicas de como se prevenir contra isso e poder viajar tranquilamente com a sua família.

• Sempre peça a um parente ou amigo de confiança para visitar ocasionalmente e demonstrar a presença, seja abrindo as janelas ou regando as plantas.
• Não deixe luzes acesas. Durante o dia, elas se tornam sinais óbvios de que não há ninguém em casa. Criminosos se adaptam e sabem há muito tempo desse velho e manjado truque.
• Evite deixar a chave na portaria, onde elas podem ser facilmente furtadas.
• Não permita que a correspondência ou jornais se acumulem. Isso é outro indicador de ausência. Interrompa a assinatura de periódicos e peça para alguém recolher as cartas.
• Avise um vizinho de confiança que você estará viajando até determinado dia. Caso ele ouça ou perceba algum problema, poderá alertar as autoridades.

Fonte : Condomínio em Foco


terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Prevenção de Acidentes - Cuidados ao viajar

PLANEJE SUA VIAGEM DE FINAL DE ANO

Confira dicas para planejar viagens de fim de ano sem ter gastos extras

60% dos pacotes de Ano Novo já foram vendidos, segundo associação.
Planejamento gera economia de 20 a 30% na viagem, diz especialista.

Da TV Morena
 
Quem está pensando em viajar no fim do ano tem de se apressar. De acordo com a Associação Brasileira das Operadoras de Turismo, 60% dos pacotes de Ano Novo já foram vendidos.
Colocar a ideia no papel é o primeiro passo para quem não quer ver a viagem dos sonhos virar pesadelo. O verbo para ter o bom e barato nas mãos é 'antecipar'.
Foi de última hora que a estudante Bruna Gamero decidiu passar o Ano Novo nas praias do Guarujá (SP), no ano passado. Ela queria ir de avião, mas não encontrou passagem aérea e foi de ônibus. Este foi apenas o primeiro aborrecimento da estudante.
"Já não tem mais os hotéis que você quer ficar, nos preços que você quer pagar, você acaba não tendo muita opção de escolha. Nessa viagem que acabei não planejando muito para fazer, acabei ficando em local que não era esperado e acabei gastando mais do que deveria."
Um exemplo: hoje, um pacote de réveillon em Fortaleza (CE), um dos destinos mais procurados do país no fim do ano, pode ser encontrado por R$ 2.754, contando hotel e passagem aérea. Mas também há disponível nas operadoras um pacote, em um outro hotel da mesma categoria, por R$ 1.974, diferença de R$ 780. Quem se organiza, consegue economizar, segundo o gerente comercial Cleodimar Queiróz.
"Quando a pessoa se programa com mais antecedência, ela consegue preços melhores, uma economia de 20 a 30%. Nós temos hoje condições de atender o passageiro que queira se planejar para o Natal ou Ano Novo em janeiro."
O planejamento vai garantir segurança, diversão e tranquilidade financeira. As agências de viagens podem ajudar na tarefa de montar um roteiro que não vai agredir o bolso e que tenha o seu perfil.
A consultora de RH, Renata Rafael, e a funcionária pública estadual, Tereza Orrico, por meio de um consultor de viagem, conseguiram uma passagem aérea para Buenos Aires por US$ 49. O pacote inteiro, com passagens, translado e hotel com café da manhã, saiu por menos de R$ 500.
Quem for para fora do Brasil, não deve esquecer: de levar um cartão de crédito internacional e/ou dinheiro já convertido na moeda do país que vai conhecer; tirar passaporte com pelo menos três meses de antecedência; comprar as passagens para depois reservar o hotel; como as companhias são responsáveis pela bagagem, em caso de extravio, a indenização é feita mediante a apresentação do comprovante de bagagem, em um prazo máximo de 30 dias.
Com a febre das redes sociais, blogs e microblogs, quem gosta de viajar aproveita para navegar por vários lugares em busca de conhecimento, troca de experiências, intercâmbio de informações. A internet pode ser também uma ferramenta para prevenir situações indejadas nas viagens.
O fotógrafo Rafael de Arruda é um ciberviajante e participa de muitas conversas na rede sobre viagens. As fotos de todos os passeios estão sempre na rede e, além disso, ele também compra passagens e pacotes pela internet.
"Vai da pessoa ter o cuidado, para ver se o site tem segurança, se tem o 'cadeadinho' lá embaixo e olhar e ver o que a galera comenta em fóruns. Qual hotel é bacana, qual não é, sobre companhias aéreas, os táxis da cidades, os preços dos restaurantes."
Nas compras pela rede, muito cuidado. Se der qualquer problema, poderá ser um pouco mais difícil resolver.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

DIRECIONAL CONDOMÍNIOS

SAIBA MAIS SOBRE PROTEÇÃO PERIMETRAL E CERCAS ELÉTRICAS

Sem dúvida, as cercas elétricas são o equipamento mais utilizado na proteção aos perímetros dos condomínios. Consideradas um meio confiável, seguro e econômico para aumentar a proteção do imóvel, normalmente são instaladas sobre muros ou grades que cercam o imóvel. Porém, há particularidades que devem ser levadas em conta no projeto e na instalação, como a proximidade dos fios nas áreas de piscina, quadras de esportes e outros espaços de lazer dos edifícios.
Segundo Sérgio Ribeiro, diretor secretário da Abese (Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança), não há uma altura padrão a ser utilizada. “Ela varia de acordo com a legislação de cada município ou estado. Conforme a norma ABNT, esta altura deve ser de no mínimo 1,5 metros, caso não haja uma barreira de proteção entre a cerca e um transeunte”, explica. É obrigatória, também segundo a ABNT, a colocação de placas informando sobre a presença da cerca elétrica. Já o número de placas e a distância entre elas variam conforme as leis da localidade.
Porém, antes de instalar a cerca é preciso efetuar uma análise de risco, ou seja, identificar os pontos vulneráveis do imóvel e como protegê-los adequadamente. Esta análise irá determinar o local de instalação da central eletrificadora, o número de fios e a altura das hastes que compõem a cerca, a proximidade da cerca com a vegetação existente etc. “Um bom equipamento eletrificador irá fornecer, em seu manual, informações sobre como efetuar uma instalação segura e de qualidade. Efetuado este estudo prévio, o instalador deve elaborar o projeto e, ao apresentá-lo ao consumidor, fornecer todas as informações inerentes aos equipamentos ofertados”, resume Sérgio.
Conhecendo o sistema de cerca elétrica
Sérgio Ribeiro, diretor da Abese, explica as funções de cada item que compõe a cerca elétrica de choque pulsativo. Confira:
CENTRAL ELETRIFICADORA
É o equipamento que aplica o choque e monitora as condições da cerca. Deve-se sempre utilizar uma central eletrificadora de qualidade e dentro da norma ABNT NBR 60.335-2-76. Nunca instalar centrais eletrificadoras “milagrosas”, ou seja, aquelas que afirmam “não precisar de aterramento” ou com “terra eletrônico”, uma vez que a norma exige que o eletrificador seja aterrado e possua um conector específico para tanto.
Há diversos modelos de centrais eletrificadoras. As principais diferenças estão na tensão de saída (o choque), nos opcionais dos equipamentos e no cumprimento da ABNT, como: utilizar transformador de alta-tensão corretamente projetado; possuir gabinete em plástico que não propaga fogo; componentes com baixo índice de defeitos; entre outros parâmetros técnicos determinados na norma ABNT.
HASTES
Pela sua facilidade de montagem e eventuais dobras, Sérgio Ribeiro recomenda a utilização de barras chatas de alumínio de 1" X 1/4". “O uso de barras ou cantoneiras de ferro são também apreciáveis. O critério a ser adotado deve ter como objetivo uma movimentação mínima das hastes quando expostas a corrente de ar ou impactos mecânicos, em casos de instalações sobre grades e portões”, esclarece. Quanto à distância linear entre as hastes, é recomendável que não seja superior a três metros. Não devem ser utilizadas hastes de alumínio com espessura inferior a 1/4", que além de acarretarem os problemas já citados, não permitem um tensionamento ideal dos fios da cerca.
ISOLADORES
Devido à alta tensão aplicada à fiação da cerca é necessária uma perfeita isolação entre esta e as hastes de sustentação. O especialista recomenda a utilização de isoladores de boa qualidade e com proteção contra raios ultravioleta. “Indico a utilização de isoladores que possuam isolação de 19000 volts a seco e 12000 volts sob chuva sem apresentar fugas de tensão”, orienta.
Conforme o diretor da Abese, a utilização de isoladores de porcelana ou plástico para instalações elétricas residenciais de baixa tensão acarreta frequentemente problemas de disparos do sistema na ocorrência de chuvas, não sendo, portanto, indicados para este tipo de instalação.
FIOS DA CERCA
A fiação a ser utilizada na construção da cerca deve ser obrigatoriamente do tipo “lisa”. O mais indicado é o fio de aço inox de 0,45 mm a 0,60 mm de diâmetro, pela facilidade de instalação e manutenção, e pela boa condutibilidade elétrica. A tensão mecânica a ser aplicada nos fios (esticamento) deve ser suficiente para não criar “barrigas” ao longo da cerca, bem como suportar algum “balanço” tolerável das hastes em função de ventos. “Deve-se evitar o tensionamento superior ao necessário, fato que poderá causar rompimentos constantes da fiação”, resume Sérgio.
CABOS DE ALTA-ISOLAÇÃO
Devem possuir isolação elétrica adequada para evitar fugas de tensão indesejadas: o ideal é isolação de no mínimo 25.000 volts. Sua função é fazer a conexão entre o eletrificador (central de choque) e a cerca externa. Um bom cabo de alta-isolação normalmente é fabricado com uma capa externa de PVC (de cerca de 1 mm) e com uma camada interna de isolante de polietileno (de aproximadamente 5 mm) a qual possui, no seu interior fios (geralmente estanhados) com secção de 0,25 mm2.
PLACA DE ADVERTÊNCIA
A placa de advertência é obrigatória, em conformidade com as normas internacionais de segurança, com a norma ABNT e com as leis estaduais e municipais existentes. As placas devem ser confeccionadas com fundo amarelo e impressões pretas, com o símbolo que representa o risco de choque elétrico ao tocar (mão com choque) e medir aproximadamente 300 x 200 x 0,5 mm.
SIRENE
Acionada pela central de choque quando a cerca externa é violada (tentativa de sabotagem), ou quando o sistema apresenta fuga de corrente. Normalmente são usadas sirenes eletrônicas de 120 decibéis. Segundo Sérgio Ribeiro, da Abese, é importante, porém, que a sirene seja instalada em local de difícil acesso e que não abafe o som: “De preferência devem ser instaladas duas sirenes em locais distintos e relativamente distantes, para que, no caso de sabotagem de uma, a outra possa soar o alarme.”
BATERIA 12 VOLTS
A bateria é responsável por manter o sistema funcionando quando a energia da rede local for interrompida. Normalmente, utiliza-se bateria do tipo Gel-Selada de 12 volts / 7 Ah, que é isenta de manutenção. Para um sistema de residência de poste médio, uma bateria precisa manter o sistema em operação até 48 horas após a falta da energia, desde que a sirene não seja acionada no período de falta de energia, fato que acarretaria maior consumo de energia da bateria e consequente diminuição de sua autonomia.
A configuração básica de uma instalação de cerca elétrica é exemplificada na figura abaixo:




Apesar de simples, todo cuidado é pouco com a aquisição e instalação de cercas elétricas. Conforme Sérgio, o primeiro passo é contratar uma empresa legalmente constituída, com capacitação técnica e atendimento pós-venda comprovados. “Depois, o consumidor deve checar se o equipamento eletrificador atende às exigências da norma ABNT. É importante frisar que não existe legislação federal sobre o assunto, mas vários estados e municípios brasileiros já criaram suas leis que regulamentam a instalação de cercas eletrificadas e mais de 90% delas exigem que o equipamento eletrificador obedeça às normas técnicas editadas pela ABNT”, aponta.
A atenção deve ser grande também na instalação das cercas. Conforme o diretor secretário da ABESE, o instalador deve seguir fielmente as orientações e determinações do manual de instalação do fabricante do eletrificador. Outros cuidados necessários são nunca utilizar o neutro da rede elétrica como terra do sistema; nunca instalar eletrificadores que afirmam não precisar de aterramento; efetuar previamente uma análise de risco do imóvel para levantamento de pontos vulneráveis; instalar a central de choque em local protegido e de acesso restrito, mas que, ao mesmo tempo, permita aos operadores do sistema ligá-la e desligá-la quando necessário; e ainda utilizar materiais de boa qualidade. “De nada adianta um bom eletrificador instalado com acessórios ruins”, constata Sérgio. Vale lembrar que erros de instalação ou falta de manutenção adequada nas cercas elétricas resultam em frequentes disparos falsos. O especialista afirma que vegetação encostada aos fios da cerca, fato que se agrava durante chuvas, é outra causa dos falsos alarmes.
Por Luiza Oliva

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

PERFIL DO GESTOR DE SEGURANÇA

PERFIL DO GESTOR DE SEGURANÇA - GUIA PARA RECRUTADORES E CANDIDATOS

No atual cenário empresarial, variáveis como complexidade, incertezas, ameaças, riscos potenciais ou iminentes nunca foram tão presentes. O momento, ditado pelo mercado, passou a exigir profissionais cada vez mais capacitados para atuar nas diversas áreas de negócios. Destarte, quando se fala em sobrevivência do negócio, o fator segurança aparece como algo vital para a sobrevivência das empresas. Mas, o sucesso na condução dos negócios depende, essencialmente, das pessoas, dos diversos profissionais que compõem uma empresa. No que se refere à Segurança, não há mais espaços para o empirismo, afinal, trata-se de uma área estratégica para a empresa que, em função de sua complexidade, exige a atuação de profissionais cada vez mais capacitados e aptos para esta empreitada. Dentro deste contexto, muito se tem falado a respeito do profissional responsável pelo departamento de Segurança nas empresas públicas ou privadas. No intuito de responder algumas indagações, vamos discorrer sobre o perfil do Gestor de Segurança.
No Brasil, diversas instituições de ensino superior, há cerca de 10 anos, vêm oferecendo cursos de graduação e pós-graduação na área de segurança pública e privada. Quanto ao nome dos cursos, existem várias denominações: Gestão em Segurança Privada, Gestão em Segurança Empresarial, Gestão Estratégica da Segurança Corporativa, Analista de Riscos, etc.
Em 2010, foi reconhecido pelo Ministério de Trabalho e Emprego a profissão do Gestor em Segurança com o CBO (Código Brasileiro de Ocupação) nº 2526-05. O MTE classificou esta profissional e traçou algumas características no que concerne ao perfil profissiográfico do Gestor em Segurança.

Características e responsabilidades do Gestor em Segurança, segundo o Ministério do Trabalho e Emprego:

1. Características, responsabilidades e competências do Gestor em Segurança


1.1. Área de atuação
Profissionais da administração dos serviços de segurança.

1.2. Títulos para o Gestor em segurança
Gerente de segurança empresarial, Tecnólogo em gestão de segurança empresarial, Tecnólogo em gestão de segurança privada.

1.3. Descrição Sumária
Gerenciam as atividades de segurança em geral. Elaboram planos e políticas de segurança. Realizam análises de riscos, adotam medidas preventivas e corretivas para proteger vidas, o patrimônio e restaurar as atividades normais de empresas. Administram equipes, coordenam serviços de inteligência empresarial e prestam consultoria e assessoria.

1.4. Condições gerais de exercício
Os profissionais da segurança privada atuam em empresas privadas ou públicas, em atividades industriais, comerciais e de serviços em geral. Podem trabalhar com carteira assinada ou conta própria/autônomo. Trabalham em equipe, com supervisão ocasional, em ambientes fechados e horários irregulares. O trabalho pode ser exercido de forma presencial ou à distância.

1.5. Formação e experiência
Para o pleno exercício da função é necessário graduação tecnológica em segurança privada ou curso superior, em outra área mais curso de especialização em segurança. Experiência profissional de menos de um ano.

2. Competências do Gestor em Segurança


Esse profissional atua no planejamento, gerenciamento e execução de políticas públicas na área de segurança. Elabora, planeja, gerencia e executa estratégias de segurança para empresas privadas.
Deve conhecer as diversidades regionais, sociais, econômicas, culturais e a política da área de segurança existente no país. Deve ser conhecedor dos Direitos Humanos, da Constituição Brasileira e ter referências éticas sólidas.

2.1. Gerenciar atividades de segurança
Atividades:
Gerenciar atividades de segurança patrimonial.
Gerenciar atividades de transporte de valores.
Gerenciar atividades de escolta armada.
Gerenciar atividades de segurança pessoal.
Gerenciar atividades de segurança eletrônica.
Conduzir sindicância interna.
Participar de atividades de segurança da informação.
Interagir com demais áreas da empresa e órgãos externos.
Elaborar projetos de segurança.
Elaborar política de segurança.
Elaborar normas e procedimentos.
Elaborar planejamento estratégico.
Elaborar plano tático.

2.1.1. Elaborar Planos de Segurança
Elaborar plano operacional.
Elaborar planos de contingência e/ou emergência.
Elaborar plano de continuidade de negócio.
Elaborar planos de gerenciamento de crise.
Propor ações para mitigação de riscos.

2.1.2. Realizar análise de Riscos
Identificar riscos.
Identificar vulnerabilidades.
Classificar riscos.
Identificar ameaças.
Identificar impactos.
Identificar probabilidade de sinistro.
Identificar ativos a serem protegidos (tangíveis e intangíveis).
Analisar trajeto.

2.2. Administrar Recursos Humanos
Ministrar treinamentos e cursos.
Participar da integração de funcionários.
Monitorar comportamento.
Elaborar escala de trabalho.
Remanejar funcionários.
Fiscalizar documentação legal de funcionário (vigilante).
Solicitar demissão de funcionário.

2.3. Gerir Recursos Financeiros e Materiais
Propor desenvolvimento e/ou melhorias de produtos de segurança.
Definir equipamentos de segurança.
Selecionar fornecedores.
Aprovar compras de equipamentos e serviços de segurança.
Conferir materiais e serviços solicitados.

2.4. Coordenar Atividades de Inteligência Empresarial
Receber informações.
Selecionar informações.
Selecionar receptores das informações.
Analisar informações.
Propor ações preventivas e corretivas.
Difundir informações.
Simular cenários.

2.5. Prestar Consultoria/Assessoria
Identificar necessidades do cliente.
Emitir parecer de segurança.
Negociar contrato.
Acompanhar implementação do plano ou projeto de segurança.
Auditorar plano e/ou projeto de segurança.

3. Competências pessoais para o Gestor em Segurança


Demonstrar liderança.
Demonstrar visão estratégica.
Demonstrar pró-atividade.
Demonstrar perspicácia.
Demonstrar flexibilidade.
Demonstrar capacidade de negociação.
Demonstrar liderança.
Demonstrar capacidade de persuasão.
Demonstrar capacidade de trabalhar em equipe.
Demonstrar capacidade de administrar conflitos.
Demonstrar equilíbrio emocional.
Demonstrar capacidade de observação.
Demonstrar capacidade de manter sigilo.

4. Considerações finais


Gerir um departamento de segurança ou atuar nas diversas áreas deste segmento, não é uma tarefa fácil. É necessário o domínio de diversas áreas do conhecimento e, sobretudo, compreender a conjuntura que envolve o processo segurança na gestão de uma empresa. Por isso, é mister informar que, a escolha de um profissional com formação específica é necessária.
Conduzir os processos que envolvem a segurança, em suas diversas ramificações, é algo espinhoso e complexo, por isso, a escolha do Gestor em Segurança deve ser pautada levando-se em conta a sua formação acadêmica, pois, caso contrário, existe o risco da área de segurança ser conduzida por pseudos gestores.

Sugestão de leitura: Dicas e Macetes do Gestor de Segurança.




Adenilson Campos Guedes, Graduado em Gestão de Segurança Empresarial (Estácio/FIB) e Pós-graduado em Consultoria Empresarial com ênfase em Segurança Corporativa (FBB).

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

TABOÃO DA SERRA EM DESTAQUE

Anúbio Luz oficializa pré-candidatura a prefeito de Taboão da Serra

Karen Santiago | Atualizado em: 4/12/2011 00:00:00
anubio 

Karen Santiago   Anúbio faz promessas e declara planos de governo

A cidade de Taboão da Serra conheceu mais um pré-candidato a sucessão municipal de 2012 na manhã deste sábado, dia 3. Anúbio Luz (PRTB) anunciou sua pré-candidatura à prefeitura da cidade na câmara municipal em um encontro que contou com a presença de diversas lideranças políticas e, além disso, promessas para o desenvolvimento econômico e social do município.
“Quero representar o povo de forma transparente, correta, honesta e com muito trabalho. Porque a população está cansada de ser enganada. Vou fazer um governo popular, em conjunto com os moradores, visando tecnologia e de forma descentralizada. Tenho plano de governo não sou qualquer candidato”, disse.
Anúbio discursou que fará uma campanha diferenciada apostando na divulgação on line do seu projeto político, construindo um time sem interesses financeiros e mostrando a população que é preciso votar com consciência.
Ele contou a reportagem do Jornal na Net que recebe o apoio de quatro partidos, entre eles estão PRTB, PMN e PSD estadual por meio do deputado federal (Ricardo Isa Júnior) que apoiou na eleição de 2010. Anúbio Luz revela que seu partido terá 23 candidatos a vereador na cidade, segundo ele a sigla conta com 300 filiados.

anubio1

O pré-candidato comentou que fará um trabalho diferenciado apostando na indicação de amigos e no uso da tecnologia para fazer uma campanha de baixo custo e com propostas concretas. “Vou investir nas áreas de educação e saúde para melhorar a qualidade de vida dos moradores”, comentou.
Durante seu discurso Anúbio defendeu a construção de um hospital municipal como a única alternativa para melhorar a saúde e minimizar as críticas feitas pela população. Creches também serão construídas, segundo ele. “O Pronto Socorro do Antena nau suporta mais a demanda. A ideia é informatizar, pois a tecnologia a favor do paciente irá facilitar no atendimento. É possível sim construir duas ou três creches”, disse.
Ele finalizou afirmando que vai fazer parcerias e que as pessoas de confiança em seu governo serão amigos que ele confia e de dentro da cidade, para conhecer a necessidade de cada bairro. “Eu freqüento os bairros e converso com os moradores para saber os principais problemas e estudar as soluções para cada dificuldade”.
Anúbio anunciou também que sua esposa, Elizangela, será presidente da sigla PRTB mulher. O pré-candidato Carlinhos do Leme e Raí do PP de Taboão compareceram no lançamento da pré-candidatura de Anúbio