quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

CERTIFICAÇÃO ASE

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

INCÊNDIO NA BASE BRASILEIRA NA ANTÁRTICA

27/02/2012 19h11 - Atualizado em 27/02/2012 20h54

Base na Antártica era em um bloco único por segurança, diz arquiteta

Desenho aumenta risco em incêndios, mas protege contra ventos fortes.
Escolha também tinha o objetivo de minimizar o impacto ambiental.

Tadeu Meniconi* Do G1, em São Paulo
 
O prédio principal da Estação Antártica Comandante Ferraz era concentrado em um bloco contíguo por questões de segurança contra as fortes rajadas de vento da região, segundo Cristina Engel, professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Engel é arquiteta especialista em ambientes inóspitos, esteve na base mais de 20 vezes e é uma das coordenadoras do Instituto de Ciência e Tecnologia Antártico de Pesquisas Ambientais (INCT-APA).
Um incêndio destruiu a estação de pesquisas na madrugada de sábado e matou dois militares da Marinha brasileira. De acordo com o ministro da Defesa, Celso Amorim, todo o material de pesquisa foi destruído no fogo.
"Está tendo muita especulação nessa questão de ser contíguo ou não e isso tem que ser esclarecido”, afirmou a pesquisadora. “Por um lado, ficamos mais expostos a incêndios, mas, por outro, ficamos mais protegidos contra os riscos de ventos de até 200 km/h”.
Além disso, em todas as ampliações que a base teve desde sua inauguração, em 1984, havia a preocupação de provocar o menor impacto ambiental possível – até porque o meio ambiente é o principal objeto de estudo dos pesquisadores que trabalham na Antártica.
“Não tinha espaço físico para ampliar as instalações de maneira espalhada”, garantiu a arquiteta. “Só seriam feitas ampliações na parte que já tinha sido impactada, que era na própria estação”.

Incêndio na Estação Comandante Ferraz, na Antártida (Foto: César Rodrigo dos Santos/Arquivo Pessoal)
 
Incêndio na Estação Comandante Ferraz, na Antártica (Foto: César Rodrigo dos Santos/Arquivo Pessoal)
 
Engel contou que, na época em que foi criada, a base só suportava 12 pessoas, e apenas durante o verão. No inverno, a estrutura não comportava a permanência de ninguém e todos tinham que voltar para o Brasil.
Hoje, a capacidade chega a 65 pessoas no verão, número que cai para “30 ou 40, no máximo” durante o inverno, segundo ela. Nesse período, o consumo de energia aumentaria por causa do frio e da escuridão.
A arquiteta acrescentou que a ampliação da estrutura foi uma demanda que partiu dos cientistas que trabalham no continente.
Além disso, Engel acredita que estruturas como paredes para impedir o avanço do fogo não impediriam a tragédia. “Para o tamanho do acidente, as paredes corta-fogo não teriam feito absolutamente nada”, afirma. “Essas estruturas oferecem resistência à transmissão do fogo apenas por um tempinho a mais do que uma parede normal.”
Ela afirma ainda que portas corta-fogo poderiam provocar mais mortes, já que elas dificultariam a movimentação das pessoas dentro do prédio principal da Estação Antártica Comandante Ferraz. “O que aconteceu foi uma fatalidade”, diz a especialista.
'Chimarrão acionava alarme'
A professora disse que a preocupação com o risco de incêndio sempre existiu, até como uma “herança” da Marinha, já que, nos navios, essa é considerada a principal ameaça. Por isso, sempre foram feitos investimentos em segurança paralelamente à expansão da base, segundo ela.
“O nosso sistema de detecção e prevenção de incêndio era um dos mais modernos que poderia existir”, apontou Engel. ”Todos os ambientes tinham, pelo menos, dois sensores – um de fumaça e um de temperatura. O vapor da água do chimarrão que os gaúchos tomavam acionava o alarme”.

Info prédio principal Estação Antártica Comandante Ferraz (Foto: arte/G1)

A Antártica é um ambiente propício para o surgimento de incêndios. “A baixa umidade do ar é natural. Quando você lida com aquecimento, o ressecamento é maior ainda”, disse a arquiteta. Isso foi levado em conta na construção das instalações. Na cozinha, onde o risco de incêndio é mais alto, até os móveis eram feitos de aço inox.
Além disso, os dormitórios e a área de convivência ficavam do lado oposto ao da casa de máquinas, local com o maior risco de incêndios – e que foi onde ele começou, de fato –, justamente para proteger as pessoas.
Segundo a arquiteta, o investimento em segurança incluía a preparação dos ocupantes da estação. “Só não morreu mais gente lá porque todos obedeceram ao treinamento”, opinou.
Reconstrução
Qualquer tentativa de restabelecer o projeto terá de esperar até novembro. “Para construir qualquer coisa, você precisa do navio, que só chega no verão”, lembrou a especialista.
Na visão dela, a decisão de como será feita a nova base vai além dos aspectos técnicos, e ainda não é possível afirmar nem se ela será feita no mesmo lugar da estação atual.
O que ela garante é que o Brasil tem plenas condições tecnológicas de reconstruir sua estação no continente. “Nós temos conhecimento para criar uma nova estação mais eficiente, com certeza. São muitos anos aprendendo com os nossos erros e com as outras estações”, indicou.

*colaborou Mário Barra

CRIME EM ESCOLA DOS EUA

27/02/2012 13h45 - Atualizado em 27/02/2012 13h54

Estudante abre fogo e fere 5 colegas em escola nos EUA, diz polícia

Suspeito entregou-se após tiroteio na escola Chardon, perto de Cleveland.
Três das vítimas estão em estado crítico, segundo a TV local.

Do G1, com agências internacionais
 
Um estudante abriu fogo nesta segunda-feira (27) em uma escola do estado americano de Ohio, ferindo cinco colegas, e depois se rendeu, segundo a polícia local.
O incidente ocorreu na cafeteria da escola Chardon, a 56 km a leste de Cleveland, por volta das 7h30 locais (9h30 de Brasília), pouco antes do começo das aulas.
Pelo menos três alunos estão em estado crítico, segundo a TV local WKBN.
Um responsável da escola disse que o agressor é um estudante, que agia sozinho.
Os feridos foram levados a hospitais da região, disse Scott Wilson, porta-voz do escritório regional do FBI.
Alunos foram retirados da escola, que foi fechada.

Pessoas deixam a Chardon High School nesta segunda-feira (27) após o tiroteio (Foto: AP)
 
Pessoas deixam a Chardon High School nesta segunda-feira (27) após o tiroteio (Foto: AP)

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

ACIDENTE EM PARQUE DE DIVERSÕES EM VINHEDO (SP)

24/02/2012 12h30 - Atualizado em 24/02/2012 17h35

Adolescente morre após acidente em parque de diversões no interior de SP

Problema ocorreu no brinquedo 'La Tour Eiffel' nesta sexta (24).
Hopi Hari interditou atração e encerrou atividades mais cedo.

Do G1 Campinas e Região
Uma adolescente de 14 anos morreu nesta sexta-feira (24) após ser socorrida com ferimentos causados por um acidente dentro do parque de diversões Hopi Hari, em Vinhedo, no interior de São Paulo.
A morte da garota foi confirmada pelo hospital Paulo Sacramento, que fica na cidade de Jundiaí, na mesma região. Ela foi levada para o hospital por uma unidade do Corpo de Bombeiros, mas, segundo o hospital, chegou morta e com sinais de traumatismo craniano.

Brinquedo do parque de diversões Hopi Hari, em Vinhedo, SP (Foto: Isabela Leite/ G1 Campinas)
Brinquedo do parque de diversões Hopi Hari, em
Vinhedo, SP (Foto: Isabela Leite/ G1 Campinas)


A assessoria de imprensa do parque de diversões informou que o acidente aconteceu às 10h20. A adolescente estava no parque acompanhada dos pais. Em nota, o Hopi Hari lamentou o incidente. "O parque lamenta profundamente o ocorrido, está prestando toda a assistência à família da vítima e apoiando os órgãos responsáveis na investigação sobre as causas do acidente", aponta o texto.
Por volta das 13h, os frequentadores começaram a ser avisados que o parque seria fechado na parte da tarde. O brinquedo no qual a garota se acidentou, conhecido como La Tour Eiffel, foi interditado após o acidente. De acordo com delegacia de Vinhedo, o delegado Álvaro Santucci Noventa Junior estava no local por volta das 12h30 e acompanhava o trabalho da perícia.

Brinquedo

A atração na qual a garota estava é definido pelo parque como uma réplica da Torre Eiffel, um elevador de 69,5 metros de altura, com assentos que sobem a 5 metros por segundo. Os
visitantes ficam parados por dois segundos na altura de um prédio de 23 andares e, em seguida, um tranco no assento e o visitante despenca em queda livre, chegando a 94 km/h.

Parque Hopi Hari, em Vinhedo, SP (Foto: Isabela Leite/ G1 Campinas)
Parque encerrou atividades mais cedo após morte de
garota (Foto: Isabela Leite/ G1 Campinas)
Íntegra da nota
Veja abaixo a íntegra da nota divulgada pelo parque de diversões:
"COMUNICADO
O Hopi Hari informa que por volta das 10h20 de hoje houve um acidente envolvendo uma visitante de 14 anos que estava no brinquedo La Tour Eiffel. A visitante foi socorrida e levada para o Hospital Paulo Sacramento, na cidade de Jundiaí, aonde chegou em óbito. O parque lamenta profundamente o ocorrido, está prestando toda a assistência à família da vítima e apoiando os órgãos responsáveis na investigação sobre as causas do acidente."



Adolescente morre após acidente em parque de diversões (Foto: Otávio Gomes Curcino/G1)


Imagem registra momento após o acidente no Hopi Hari (Foto: Otávio Gomes Curcino/G1)

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

ARTIGO "AS FOLHAS DE VOTAÇÃO PRECISAM DE BACKUP?"

Sambódromo SP: as folhas de votação precisavam de backup?

 
22 de fevereiro de 2012 12:18
 
O inusitado aconteceu: uma (e depois outras) pessoa ligada a uma escola de samba que estava perdendo, corre em direção à mesa onde estava divulgando as notas dos jurados e numa ação rápida pega folhas de votação, rasga algumas e leva outras colocando dentro da calça, provavelmente inspirado pelo dinheiro na cueca que os políticos têm utilizado. Perdão, os políticos masculinos, pois as senhoras têm levado na bolsa mesmo.
Mas, voltando para o Sambódromo de São Paulo, todos ficam parados, chocados. Faltavam dois quesitos serem computados. Para encurtar a história, não existiam cópias das folhas de votação e o resultado (após muita confusão) foi considerado até aquele momento. Precisavam declarar os campeões pois o negócio continua e no sábado têm novo desfile.
As notícias indicam que o regulamento não previa esta situação.
Entendo que é uma situação que ainda não tinha acontecido, mas, não era difícil de acontecer. Como outras situações mais simples: perda ou roubo da urna com as cédulas, ou o locutor em um momento final ao ler a nota 9, gritar 10. Coisas que podem acontecer.
Qualquer informação precisa ser protegida para que pessoas não autorizadas acessem esta informação, para que ela não seja indevidamente destruída e para que ela se mantenha integra ao longo do tempo. Uma folha de cópia, tipo carbono (lembram-se) guardada em outra urna, poderia garantir a informação mesmo que a informação original fosse destruída. Mas isto dá trabalho e custa recurso! Sim! E quem disse que segurança é gratuita?
Pense na sua organização: se um usuário em um surto de raiva, insatisfação ou doença, resolver destruir informações, sua organização será capaz de recuperar a contendo e a tempo a informação original? Ou se um erro acontecer e informações que não deveria ser destruídas, sejam destruídas, o que acontecerá?
Trate a segurança da informação de maneira profissional. Se não, a organização vai dançar fora de época de carnaval e os impactos (financeiros, de imagens ou legais) são Reais.

Edison Fontes, CISM, CISA, CRISC
Núcleo Consultoria em Segurança
edison@pobox.com

NOSSO PARCEIRO NO RIO DE JANEIRO

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

ARTIGO " O PAPEL DO SUPERVISOR "

O PAPEL DO SUPERVISOR
O supervisor deve liderar pessoas e fazer gestão diária dos processos, devendo ser recrutado e treinado com esse objetivo. É desejável que tenha conhecimento técnico da área onde atua, mas é mandatório que tenha perfil para liderança e gestão.

É fundamental que o Supervisor “goste de gente”, pois ele é a liderança mais próxima do empregado. Ele, aos olhos do empregado é a própria imagem da Empresa. É o Supervisor que deve assegurar que ocorra alinhamento entre os valores pessoais dos empregados de sua equipe e a Visão, a Missão e os Valores da Empresa.

É ele que pode identificar as fraquezas a serem corrigidas nas equipes e é ele quem pode identificar precocemente os talentos dentre a massa de empregados para que possam ser lapidados.

O Supervisor deve garantir a capacitação de sua equipe buscando os treinamentos de acordo com a necessidade individual do empregado.

É o Supervisor que checa e garante que a sua equipe tenha as habilitações técnicas necessárias para o correto desenvolvimento dos trabalhos.

A gestão diária dos processos é responsabilidade do Supervisor bem como a utilização eficaz dos recursos disponíveis. Um ponto de atenção importante na gestão diária é a administração das prioridades e urgências. Essa administração exige a prática do “senso de urgência”. É necessário que o Supervisor conheça fundamentos de planejamento e tomada de decisão.

É o Supervisor o responsável pela avaliação de desempenho dos empregados ligados à Supervisão.

Existem estudos indicando que parte dos problemas nas empresas pode ocorrer não apenas por falta de normas técnicas ou padrões gerenciais, mas também pelo descumprimento dessas normas e padrões, ou seja, os problemas podem ser gerados pelo comportamento inadequado das pessoas.

Considerando que a verificação do cumprimento dos procedimentos técnicos e a fiscalização da execução de tarefas são atividades realizadas dentro da Supervisão, devemos analisar o risco e a criticidade dessas atividades e considerar a utilização de inspetores ligados à Supervisão que façam essa fiscalização em campo.

Segundo Falconi (O Verdadeiro Poder, 2009): “Liderar é bater metas consistentemente, com o time e fazendo certo. Quem não bate metas não é bom líder. Se ser um bom líder é conseguir resultados por meio das pessoas, então a pessoa do líder deve investir parte substancial de seu tempo no desenvolvimento de sua equipe.”

Entendendo o Supervisor como sendo o primeiro nível de liderança da Empresa, podemos considerar para ele a Agenda do Líder proposta por Falconi (O Verdadeiro Poder, 2009):

LIDERAR COM O TIME
1 - Recrutar;
2 - Treinar;
3 - Inspirar;
4 - Fazer coaching (são atuações do líder voltadas para ajudar os seus subordinados a trilharem o seu próprio caminho de autodesenvolvimento);
5 - Promover a meritocracia;
6 - Tirar pessoas da zona de conforto para que elas se desenvolvam;
7 - Fazer uma avaliação de desempenho honesta e construtiva;
8 - Demitir quando preciso for;
9 - Ter um sistema de incentivos alinhados com metas.

LIDERAR FAZENDO CERTO
1 - Promover cultura única;
2 - Cultura de alto desempenho;
3 - Cultura de fatos e dados;
4 - Cultura de honestidade intelectual;
5 - Cultura de enfrentamento dos fatos;
6 - Alinhamento com os valores da empresa.

LIDERAR É ALCANÇAR METAS
1 - Atribuir metas baseadas em lacunas;
2 - Promover o domínio do método pela equipe;
3 - Promover a aquisição de conhecimento técnico do processo pela equipe.

Falconi: “O Líder é o único agente de mudanças da organização. Não há outra opção”.

Devemos pensar em possuir um time de Supervisores alinhados com os Valores e o Pensamento Estratégico da Empresa, capacitados para liderar e influenciar o comportamento das pessoas. Um líder tem seguidores e é disso que precisamos.

Magna Fernandes
Segurança, Inteligência e Investigação
Companhia Siderúrgica Nacional
Companhia Metalúrgica Prada
magna.fernandes@csn.com.br

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

PROTEJA SEU CONDOMÍNIO - INVISTA EM SEGURANÇA

Quadrilha faz arrastão em prédio em Higienópolis, em São Paulo

Segundo a polícia, bando entrou no prédio por volta da meia-noite e saiu apenas às 7h15, em dois carros blindados

AE | 14/02/2012 10:17
Cerca de 10 homens armados invadiram um edifício residencial na rua Sergipe, 575, em Higienópolis, na região central de São Paulo, na madrugada desta terça-feira e fizeram um arrastão, segundo informações da Polícia Militar.

Vila Madalena: Ladrões fazem arrastão em prédio da zona oeste de São Paulo

O bando entrou no prédio, com dois apartamentos por andar, por volta da meia-noite e saiu apenas às 7h15, fugindo em dois carros blindados. De acordo com a PM, um dos veículos foi localizado no centro.
Oito apartamentos foram saqueados, de acordo com a PM. Os bandidos levaram joias, objetos e dinheiro. O caso será investigado pelo Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic). Ninguém ficou ferido.

INGLÊS TÉCNICO NA ALPS

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

FÓRUM RH GUARULHOS DIA 15/02/2012 PARTICIPE !

Bancos retiram portas giratórias e causam polêmica - 09/02/12

BANCOS RETIRAM PORTA GIRATÓRIA

Bancos retiram porta giratória das agências
Itaú confirma adoção da medida; sindicatos de bancários e vigilantes temem mais assaltos
Os principais bancos brasileiros iniciaram um processo de retirada das portas giratórias com detectores de metais em agências espalhadas pelo país.

A mudança quer acabar com o grande número de processos judiciais que geram indenizações altas para correntistas, segundo reportagem da "Folha de S.Paulo". São ações de danos morais de clientes constrangidos por dificuldades de acesso após o travamento das portas. Lidar com elas exige altos gastos com advogados.

O Itaú Unibanco confirmou que está fazendo a retirada e que só manterá as portas giratórias onde for obrigado por lei. O banco diz que busca "maior proximidade" com os clientes e que o nível de segurança será mantido.

O Bradesco nega a prática, o que contraria relatos do sindicato dos bancários Contraf-CUT. De 12 agências paulistanas do Bradesco visitadas pela reportagem da "Folha", 9 não têm mais portas giratórias. De 48 agências de várias bandeiras, 15 estão sem o equipamento.

Decisão é criticada

Bancários e vigilantes temem assaltos. "Essa medida absurda aumenta a insegurança e o risco a que estão expostos trabalhadores e clientes", disse o diretor da Contraf-CUT, Ademir Wiederkehr.

FONTE: DESTAK JORNAL