domingo, 30 de junho de 2013

O PREÇO DA INSEGURANÇA


sábado, 29 de junho de 2013

SISTEMA DE ALERTA CONTRA INUNDAÇÕES

Brasil quer desenvolver sistema de alerta contra inundações

Entre as estratégias, instalação de três mil pluviômetros para diminuir impactos causados por catástrofes como a de 2011, no Rio de Janeiro, quando foram contabilizadas mais de mil mortes.
A criação do Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais promete marcar uma nova fase na prevenção de enchentes no Brasil. Entre as principais estratégias de prevenção do plano, lançado ano passado, está a instalação de três mil pluviômetros até 2014 e novas estações meteorológicas.
Segundo as Nações Unidas (ONU), o Brasil está entre os países que mais sofrem com catástrofes climáticas. Há muito por fazer para melhorar a infraestrutura do país contra enchentes. Uma das principais especialistas em desastres no mundo, a consultora da ONU e diretora do Centro para a Pesquisa da Epidemiologia de Desastres, Debarati Guha-Sapir, acredita que é preciso fortalecer as ações de educação.
"Eu penso que os principais problemas do Brasil no futuro serão as inundações. E o país precisará ter políticas específicas", disse Guha-Sapir em entrevista à DW Brasil.
Na avaliação da especialista, o Brasil não é um país pobre e tem muitos recursos humanos – especialmente engenheiros e médicos. Ela acredita que é necessário estabelecer uma prioridade para o tema. A catástrofe em Nova Friburgo, em 2011, foi a maior em número de vítimas no país, com mais de mil mortos.
Dificuldade de previsão
"O que falta no Brasil, e que tentamos desenvolver, é um sistema de alerta para inundações bruscas, que podem acontecer em questão de horas, ou enxurradas", observa o coordenador geral do Centro Nacional de Pesquisa em Desenvolvimento (Cemaden), Marcelo Seluchi.
Elas são muito difíceis de serem previstas e antecipadas, porque são provocadas por chuvas muito pontuais, rápidas e abundantes. Por isso, precisam de um sistema de radares muito bem calibrado para detectar, explica o especialista. Criado em 2011, o Cemaden é vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia e tem como tarefa alertar para fenômenos naturais com potencial de causar mortes.
"O Brasil conseguiu, pelo menos nesse um ano e meio em que o Cemaden está funcionando, ter um sistema com pessoas trabalhando 24 horas por dia, os 365 dias do ano, uma equipe multidisciplinar olhando para a possibilidade de enchentes", diz Seluchi.
Região centro-sul do país é a mais crítica
Regiões com montanhas, especialmente a área centro-sul do país, incluindo Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo e Santa Catarina, são as mais propícias a inundações, de acordo com o Cemaden.
"Estamos trabalhando agora em áreas mais vulneráveis e críticas, com maior população e que, pela geografia, apresentariam maior potencial de ter esse tipo de fenômeno", explica Seluchi.
A quantidade de pessoas em áreas de risco é um dos principais problemas. O crescimento desordenado da população levou à ocupação de bacias. Por isso, o combate a enxurradas e deslizamentos será prioridade para a Defesa Civil nos próximos anos, diz o diretor da Secretaria Nacional da Defesa Civil do Ministério da Integração Nacional, Rafael Schadeck.
"São 170 municípios que vão receber benefícios para reduzir e eliminar o problema de inundações nas áreas mais críticas do país", comenta.
Para o geólogo Marcelo Motta, professor da PUC-Rio, faltam medidas preventivas e sociais, além de planejamento urbano. "Há uma política pública defasada, incapaz de prover habitação para toda a população, que precisa construir as próprias casas, pavimentar as próprias ruas, fazer gato para ter energia. Essa é a realidade das cidades brasileiras", observa.
A experiência de Santa Catarina
Santa Catarina é um dos estados brasileiros que mais sofrem com desastres. Em 2008, depois de um período de três meses de fortes chuvas, o estado contabilizou mais de 135 mortes e 5 mil desabrigados. O município de Blumenau foi um dos mais afetados.
O Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres (Ceped) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que trabalha na redução de riscos de desastres, apoiou os municípios atingidos no desastre de 2008 através da avaliação das áreas habitadas com risco de deslizamento.
"Só não temos vulcões. Do restante, temos quase todos os outros impactos e fenômenos naturais recorrentes: chuvas, vendavais, granizo. As cheias são as que mais geram impacto, são cíclicas", pontua o presidente do Ceped, Antônio Edésio Jungles.


TELEFONISTA E SEU PAPEL NO PROJETO DE SEGURANÇA CORPORATIVA


sexta-feira, 28 de junho de 2013

O SEGMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA PRECISA DE DESONERAÇÃO TRIBUTÁRIA


ASSESSORIA DE SEGURANÇA - PLANEJAMENTO DE SEGURANÇA EMPRESARIAL


NÓS AMAMOS O QUE FAZEMOS - GNA CONSULTORIA LTDA


PELA VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SEGURANÇA PRIVADA


CURTA NO FACEBOOK - FRASES DE GUERRA


CURSO CTT/CBC 2013


segunda-feira, 24 de junho de 2013

REVOLUÇÃO COMEÇA NA ESCOLA


CERTIFICAÇÃO ASE / ABSEG 2013


CAMPANHA DIRIJA COM RESPONSABILIDADE


GERENCIE A GOVERNANÇA, RISCOS E COMPLIANCE DE SUA EMPRESA


CURSO CTT/CBC OPERADOR DE PISTOLA


CURSO COMPROMETIMENTO E FOCO EM RESULTADOS


CURSO CTT / CBC DE PISTOLA - TÁTICO DE PISTOLA


DIA INTERNACIONAL DO SOCORRISTA


domingo, 2 de junho de 2013

CURSOS E PALESTRAS IN COMPANY - ULISSES NASCIMENTO,CEO


SEGURANÇA ESCOLAR E DAS UNIVERSIDADES

PALESTRAS E CURSOS IN COMPANY GNA CONSULTORIA E SERVIÇOS LTDA
PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA COLABORADORES EM ESCOLAS E UNIVERSIDADES

MÓDULO I – Segurança com responsabilidade
  • Política e Procedimentos de Segurança em uma Universidade
  • Postura, Informação, Procedimentos, e Atendimento
  • Missão e Valores do Grupo GTPS
  • Controle de Acesso e Identificação
  • Procedimentos do Porteiro, Rondas e Vigilantes
  • Noções de Prevenção de Acidentes, Primeiros Socorros e PCIS
  • Como atuar em uma emergência.

Módulo II – Noções de Segurança Educacional
  • Violência e Crime nas Escolas
  • Controle de Acesso e Identificação e Estacionamentos Escolares
  • Descrição de Postos do Campus Universitários
  • Análises de Riscos ( ISO 31000 )
  • Segurança Física de Instalações e Comunicação
  • Sistemas Eletrônicos de Proteção
  • Triângulo do Crime
  • Perfil do Profissional de Segurança Educacional
  • Armamento, Rondas Táticas e VTRs Operacionais
  • Trabalho de Integração Preventivo Comunitária e CONSEG
  • Técnicas Operacionais em Locais de Crime

Módulo III – Prevenção ao Uso indevido de Drogas
  • Lei Anti Fumo – 13.541 de 07 de Maio de 2009
  • Drogas e seus efeitos
  • Ansiolíticos, Álcool, inalantes e solventes
  • Narcóticos, Anfetaminas, Tabaco, Cocaína, Maconha
  • Alucinógenos e Ecstasy
  
·   Mini CV de Ulisses Ferreira do Nascimento
 Ulisses Nascimento é Gestor de Segurança Privada formado na Universidade Paulista. Aluno do MBS 32 da Brasiliano / FESP , Pós Graduando em Educação na Universidade Paulista.  Profissional com mais de vinte e cinco anos de experiência na área de segurança corporativa, oficial da reserva do Exército Brasileiro na arma de Cavalaria, Instrutor e  Ex Coordenador de Segurança Universitária e Gestão de  Riscos  no Campus Anchieta da UNIP, especialista formado pela mesma Universidade, atual  assessor técnico  do GIASES ( Grupo Integrado de Apoio à Segurança do Ensino Superior do Estado de São Paulo ) apoiado pelo SEMESP , membro da OBESST, associado à  ABSO, ex - diretor do Conseg do  83DP – Parque Bristol SP  , membro da Comissão Estadual de Polícia Comunitária e Direitos Humanos, ex - Coordenador de Governo da ABGS nos anos de 2007 - 2008 e atual  Vice Presidente da Área de Governo e Assuntos Internacionais do IFIDUS. Possui diversos cursos de Extensão Universitária na Brasiliano Associados , Universidade São Judas e CELACADE  na área de Gerenciamento de Riscos , Planejamento de Segurança , Sistemas Eletrônicos de Proteção e Cenários Prospectivos . Indicado três anos seguidos 2007, 2008 e 2009, para receber o Prêmio Destaque da Segurança Empresarial no Brasil pelo portal CIPANET. Pesquisador do tema Violência e Crime nas Escolas tendo exercido a coordenação do GIASES por duas gestões de 2005 a 2008 . Palestrante e articulista de diversos sites e Revistas especializadas na área de segurança. Sócio do Portal Escola Protegida e Security Manager da Grans Nascimento Associados – Consultoria de Negócios em Segurança e instrutor do Corpo de Segurança da Indústria Kania de Capivari SP.


  • Mini CV do Sr. Wagner Grans, GSP, MBA

 Wagner Grans é Tecnólogo em Gestão de Segurança Pública – Universidade Sul de Santa Catarina; MBA em Planejamento Estratégico Empresarial - Universidade Gama Filho; Pós-Graduando em Gestão Integrada de Segurança Pública – Universidade Sul de Santa Catarina; Especialização em Gestão da Educação – Escola Superior Aberta do Brasil; Exerceu função pública junto à Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo - Polícia Militar; Serviço de Inteligência e na Proteção Executiva do Governador do Estado de São Paulo; Policia Civil: Investigador de Polícia, como Encarregado de algumas Delegacias de Polícia do DECAP e DEMACRO; Especialista em Gerenciamento de Segurança e Crises; Especialista em Análise de Risco; Especialista em Inteligência Policial; Especialista em Proteção Executiva e Gerenciamento de Crises; Coordenador do GIASES (Grupo Integrado de Apoio à Segurança do Ensino Superior do Estado de São Paulo) apoiado pelo SEMESP; Presidente do Instituto Fidus; Coordenador de Segurança e Análise de Risco da Universidade São Judas Tadeu; Administrador de Segurança da Indústria Kânia Acumuladores de Energia; Security Manager da Grans Nascimento Associados; Cursos e Especialização: Persuasão Forense; Materiais e Logística; Prevenção da Violência e Exclusão Social; Estratégica em Segurança Pública; Criminalística e Investigação Criminal; Prevenção e Repressão à Violência; Liderança e Desenvolvimento de Equipe; Controladoria e Auditoria; Planejamento Estratégico e Formulação Estratégica; Formulação de Projetos e Análise de Processos; Negócios Estratégicos; Cenários Prospectivos; Administração em Segurança e Planejamento Estratégico e Análise de Riscos.